“Delegatas”: nova geração de agentes desvenda crimes sem perder vaidade

Beleza e competência no combate ao crime. Essa combinação tem sido representada na personagem da atriz Giovanna Antonelli na novela Salve Jorge, da TV Globo. Bem vestida e sempre maquiada Helô tem o perfil da nova geração de delegadas do Rio de Janeiro. Assim como na ficção, cada vez é mais comum mulheres no comando das principais delegacias da região metropolitana.

Com experiência de 15 anos na Polícia Civil – 13 deles como delegada titular -, Monique Vidal se divide no comando da delegacia e da casa. Mãe de dois filhos e solteira, Monique recentemente substituiu o delegado Pedro Paulo Pontes, que foi destituído do cargo pela chefe de polícia Martha Rocha após declarações polêmicas sobre o efetivo feminino que estava sob seu comando.

A delegada Elisa Borboni não deixa de cuidar do visual mesmo no trabalho. Determinada, ela participou das investigações que levaram à prisão de um miliciano que fez ameaças de morte à chefe da Polícia Civil, Martha Rocha. Em outra ocasião, ela organizou as buscas por um homem suspeito de ter estuprado duas fãs da cantora Lady Gaga, dentro de um hotel na zona sul do Rio.

Com um cordão de algemas no pescoço, cabelos compridos e corpo escultural, a delegada Flávia Monteiro, de 37 anos, virou notícia depois de prender o homem conhecido como Pai Bruno, estelionatário que prometia trazer a pessoa amada em três horas. O crime, desvendado menos de um dia após a denúncia, revelou, além da competência, a beleza da delegada, que faz até presos suspirarem.

Já a delegada Marcela Ortiz prendeu recentemente um homem de 70 anos, suspeito de estuprar a enteada de 15 anos. A jovem gravou em vídeo o crime e levou as imagens à 41ª DP, acompanhada da irmã. A delegada foi atrás do suspeito e, na delegacia, ele acabou confessando o estupro.

A delegada Daniela Terra também não deixa de se cuidar mesmo durante o trabalho. Sempre bem arrumada, ela não dispensa o porta-distintivo cor de rosa para dar um ar mais feminino na Delegacia do Campinho (28ª DP), na zona norte da capital.

De salto alto e arma na cintura, a delegada Valéria Aragão, de 36 anos, comanda os 45 homens da Delegacia de Combate às Drogas da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Para ela, que tem 12 anos de profissão, o fato de ser mulher na polícia pode gerar benefícios.

— Minha equipe nunca me deixa sozinha por um minuto. Às vezes, tenho que me desgarrar, mas quando vejo já tem dois policiais do meu lado. É um privilégio de mulher. Se eu fosse um homem, não seria assim. Fora que as pessoas confiam muito em uma mulher, confiam na disciplina e na sobriedade da mulher.

Atualmente na Divisão de Homicídios, a delegada Renata Araujo é a responsável por chefiar equipe que desvenda assassinatos em todo o Rio de Janeiro. Entre os principais casos comandados por Renata, está o assassinato de uma engenheira da Petrobras na Barra da Tijuca (zona oeste) e a morte do artista plástico Jorge Selarón.

A atriz Giovanna Antonelli interpreta na novela Salve Jorge da Rede Globo a delegada Helô. Sucesso entre as mulheres, a personagem tem o perfil da nova geração de delegadas no Rio de Janeiro: elas desvendam crimes sem descuidar da beleza.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s