Preso na China, Ai Weiwei terá em fevereiro sua primeira individual no Brasil

Obra do artista chinês Ai Weiwei, que estarâ em mostra no Museu da Imagem e do Som

Obra do artista chinês Ai Weiwei, que estarâ em mostra no Museu da Imagem e do Som

Folha.com

Em 4 de junho de 1994, Ai Weiwei fotografou sua mulher levantando a saia e mostrando a calcinha na praça da Paz Celestial, em Pequim.

Não era uma data qualquer. O artista chinês, que terá em fevereiro sua primeira individual no Brasil, no Museu da Imagem e do Som de São Paulo, acabava de voltar de uma década vivendo em Nova York, e aquele era o aniversário de cinco anos do massacre ocorrido ali, ponto que marcou a onda violenta de repressão na China.

De lá para cá, o país ganhou força no cenário geopolítico equivalente à exposição midiática global do autor.

Seus ataques ao regime, tanto em sua obra quanto em manifestações pelas redes sociais, acabaram despertando a ira do governo e culminaram na prisão domiciliar que o artista cumpre agora em Pequim, além da proibição de se pronunciar na internet.

Mesmo confinado à sua casa desde o ano passado, depois de ficar encarcerado por três meses, Ai não deixou os holofotes da cena artística.

A individual de fevereiro de 2013 no MIS, uma retrospectiva de sua obra fotográfica, chega ao país três anos depois de o artista participar da Bienal de São Paulo com uma instalação.

“Essas fotografias revelam mais sobre sua atitude e seu pensamento político do que o resto de sua obra”, diz Urs Stahel, curador da mostra, à Folha. “Elas mostram desde a época em que vagava por Nova York até sua vida em Pequim e a rotina do ateliê.”

Suas imagens em preto e branco, de fato, começam como espécie de diário visual de seus anos em Manhattan, onde conviveu com o poeta beatnik Allen Ginsberg e estudou a obra de Marcel Duchamp. Mas, no fim dos anos 1980, Ai voltou suas lentes para a degradação urbana da cidade e a truculência policial em manifestações de rua.

Esse olhar crítico parece se adensar no retorno do artista a Pequim. Filho do poeta Ai Qing, perseguido pela ditadura e condenado a trabalhos forçados numa área remota do nordeste da China, Ai passara a adolescência numa espécie de deserto intelectual. Virou artista em Nova York e regressou à terra natal num momento que ele descreve como “negro”.

“Essa era a cor de fundo, como se tivéssemos todos caído num balde de tinta”, escreveu Ai em seu blog censurado pelo Estado chinês em 2009. “Não havia outra cor.”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s